• Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
 

 

 

 
 
SOBREVIVÊNCIA DA CHITA ASIÁTICA DEPENDE DE ISENÇÕES AO EMBARGO ECONÓMICO INTERNACIONAL
Investigadores apontam isenções ao embargo económico como meio de salvar a biodiversidade.
 

Num texto publicado hoje pela prestigiada revista Science, uma equipa internacional liderada pelos investigadores do CIBIO-InBIO Leili Khalatbari, José Carlos Brito e Gholam Hosein Yusefi, alerta para a situação preocupante da chita asiática (Acinonyx jubatus venaticus). Este mamífero é actualmente representado por menos de 50 indivíduos na natureza e, por isso, está em perigo crítico de extinção.

 

Leili Khalatbari, primeira autora do artigo agora publicado, explica que “os conservacionistas enfrentam inúmeros desafios para proteger a biodiversidade e as sanções económicas agravam o problema. Para além de restringir a transferência de competências e de conhecimento, o embargo dificulta o apoio financeiro internacional e, com isso, a capacidade dos países realizarem acções de conservação”. Mais esclarece Leili que “isto é o que está a acontecer com a chita asiática no Irão”.

 

Como impedir a extinção de espécies ameaçadas em situações de sanções económicas?

 

De acordo com o artigo, que conta com a co-autoria de investigadores de instituições internacionais como a ZSL (Zoological Society of London), Humboldt University of Berlin e o IUCN SSC Cat Specialist Group, são necessárias isenções para a cooperação internacional e acções de conservação para salvar espécies ameaçadas. “Devem ser criados mecanismos de protecção para a biodiversidade semelhantes aos consagrados pelo direito internacional quanto às pessoas e aos locais com património cultural mundialmente relevante”.

 

Os autores defendem ainda que “os países devem apoiar os especialistas em conservação, elementos chave na preservação da biodiversidade. Tais medidas são de extrema relevância no Irão, pois de outro modo poderemos assistir à primeira extinção à escala continental de uma felino de grande porte — a chita asiática”.

 

 

Artigo original: Khalatbari L, Brito JC, Ghoddousi A, Abolghasemi H, Breitenmoser U, Breitenmoser-Würsten Ch, Yusefi GH, Ostrowski S, Durant SM (2018) Sanctioning to extinction in Iran. Science. DOI: 10.1126/science.aav8221

 

Imagens:

Imagem 1. A chita asiática, Acinonyx jubatus venaticus. Imagem registada por armadilha fotográfica | Créditos de imagem: PWHF-CACP-DoE-UNDP.

Posted in 2018-12-13