• Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
 

 

 

 

 

 
 
INVESTIGAÇÃO REVELA COMO FOI “DOMESTICADO” O CÉREBRO DO COELHO
Num artigo publicado hoje pela revista científica Proceedings of National Academy of Sciences, uma equipa que inclui os investigadores do CIBIO-InBIO Miguel Carneiro, Sandra Afonso, José António Blanco-Aguiar e Nuno Ferrand demonstrou como a domesticação teve um efeito profundo na morfologia cerebral do coelho, tornando-o menos susceptível ao medo e mais manso.
 

Em “A Origem das Espécies” Charles Darwin já afirmava que “nenhum animal é tão difícil de domar quanto os juvenis do coelho selvagem”, enquanto “poucos animais são tão mansos quanto os juvenis do coelho doméstico”. O comportamento manso e a falta de medo de humanos são características comuns a todos os animais domésticos. Mas, o que explica diferenças comportamentais tão acentuadas?


Num estudo anterior, a equipa de investigadores já tinha demonstrado que “há diferenças genéticas entre coelhos domésticos e selvagens, principalmente nos genes relacionados com o desenvolvimento do cérebro”, explica Nuno Ferrand. “No presente estudo, foi usada a ressonância magnética de alta resolução para aferir se essas alterações genéticas resultam em diferenças na morfologia cerebral”, conta Miguel Carneiro, um dos autores principais do artigo agora publicado.


A equipa liderada por investigadores do CIBIO-InBIO, do KTH Royal Institute of Technology e da Uppsala University (Suécia) analisou oito coelhos selvagens e oito coelhos domésticos, criados nas mesmas condições, e descobriu diferenças fundamentais entre os seus cérebros.

 

Cérebros diferentes respondem de forma distinta ao medo


Os coelhos domésticos são em média maiores e mais pesados que os coelhos selvagens. O actual estudo demonstra que o cérebro dos coelhos domésticos tem, contudo, um volume proporcionalmente menor do que o dos coelhos selvagens. Para além disso, mostra que os coelhos domésticos têm uma amígdala reduzida e um córtex pré-frontal medial aumentado. Por último, revela que há uma redução generalizada na massa branca dos coelhos domésticos.


Estes resultados sugerem que o comportamento manso e com menor reacção de fuga por parte dos coelhos domésticos pode ser explicado pelo facto de terem a área cerebral envolvida no processamento do medo (amígdala) de menores dimensões e a área envolvida no controle do comportamento emocional (córtex pré-frontal medial) de maiores dimensões. A quantidade reduzida de massa branca no cérebro dos coelhos domésticos sugere ainda que estes têm um processamento de informação comprometido, o que pode ajudar a justificar as reacções mais lentas e calmas.


Este foi “o primeiro estudo sobre domesticação animal a explorar em profundidade alterações na morfologia cerebral e demonstra que as diferenças genéticas associadas à domesticação, previamente observadas, terão levado à reestruturação do cérebro e consequentemente a todo um repertório de mudança comportamental”, avança Miguel Carneiro. De acordo com Nuno Ferrand as conclusões agora tornadas públicas, “poderão ter grande importância quer para a crescente compreensão da domesticação, quer para o entendimento básico de como a morfologia cerebral influencia comportamentos complexos como a resposta ao medo”.

 

 

Artigo original:
Brusini I, Carneiro M, Wang C, Rubin C, Ring H, Afonso S, Blanco-Aguiar JA, Ferrand N, Rafati N, Villafuerte R, Smedby Ö, Damberg P, Hallböök F, Fredrikson M, Andersson L (2018) Changes in brain architecture are consistent with altered fear processing in domestic rabbits. PNAS. DOI: 10.1073/pnas.1801024115

 

Imagens:
Imagem 1. “A Virgem e o Coelho”, óleo sobre tela do pintor Tiziano Vecellio, Museu do Louvre, Paris | Créditos de Imagem: Um Segundo Filmes/CIBIO-InBIO.
Imagem 2. Ilustração das diferenças fenotípicas marcantes entre coelhos selvagens e domésticos, incluindo mudanças no tamanho da amígdala e do córtex pré-frontal medial | Créditos de imagem: Fabian Sinzinger

 

 

Posted in 2018-06-25