• Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
 

 

 

 
 
Climate change threatens the biodiversity hotspots of bats in Europe
As condições climáticas têm vindo a influenciar os hotspots de biodiversidade de populações de Morcego-orelhudo-cinzento, uma espécie cuja distribuição se encontra restrita à Europa.
 

As condições climáticas têm vindo a influenciar os hotspots de biodiversidade de populações de Morcego-orelhudo-cinzento, uma espécie cuja distribuição se encontra restrita à Europa. Contudo, num artigo publicado recentemente na prestigiada revista científica Ecology Letters, uma equipa internacional de investigadores que conta com a colaboração de Hugo Rebelo, investigador do CIBIO – Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos/InBIO laboratório Associado, demonstra que estes mananciais de biodiversidade estão em risco perante a ameaça de futuras alterações climáticas.

 

Esta questão é especialmente preocupante, dada a importância da diversidade genética para a capacidade das espécies se adaptarem às mudanças ambientais e para a sua sobrevivência a longo prazo.

 

O Morcego-orelhudo-cinzento, Plecotus austriacus, encontra-se distribuído desde o norte do Mediterrâneo até à Europa central, e normalmente não se dispersa para longas distâncias. À partida, a capacidade de voo poderia sugerir que estes animais responderiam com alguma facilidade às alterações climáticas alterando a sua área de distribuição. Porém, a dispersão desta espécie de morcego em particular é limitada, devido à morfologia das suas asas, que implica elevados gastos energéticos em viagens longas. Por este motivo, estes pequenos mamíferos alados são excelentes modelos de estudo para avaliar os potenciais efeitos das alterações climáticas sobre a biodiversidade em geral, incluindo aqueles organismos incapazes de voar.

 

O Professor Gareth Jones, da Universidade de Bristol refere que: "apesar das alterações climáticas terem sido reconhecidas como uma forte ameaça a comunidades e populações de animais e plantas, as suas consequências para a diversidade genética têm sido negligenciadas”. Em relação a esta espécie de morcego em concreto, acrescenta que “através da simulação do passado e do futuro, demonstramos que a diversidade genética se concentra no sul da Europa, onde as populações sobreviveram a eventos de glaciação, mas prevê-se que alterações climáticas futuras levem a que estas áreas se tornem demasiadamente quentes e áridas para a espécie de morcego.”

 

A Dra Orly Razgour, das Universidades de Bristol e Stirling explica ainda que "a capacidade dos morcegos se deslocarem em busca de condições climáticas adequadas pode ser limitada por barreiras geográficas como os Pirinéus e pela perda de habitats favoráveis devido à prática agrícola. Isto significa que muita da diversidade genética do morcego-orelhudo-cinzento pode ficar retida em Espanha e Portugal”. Na realidade, segundo Hugo Rebelo, “este padrão já foi encontrado em várias espécies europeias”. A título de exemplo, o investigador cita um estudo sobre o morcego-negro realizado no CIBIO/InBIO, através do qual foi possível verificar que “a Península Ibérica alberga grande parte da diversidade genética da espécie”.

 

A Dra Razgour destaca que, “se os morcegos não forem capazes de se deslocar para norte, irão ter que se adaptar ao novo clima mais quente e árido para sobreviverem” e acrescenta que o próximo estudo desta equipa “ passa por avaliar se as populações existentes em áreas mais quentes já estão mais adaptadas a estas condições”. Assim, nas palavras de Hugo Rebelo, “os resultados obtidos no estudo actual não vêm senão realçar a responsabilidade que Portugal e Espanha têm (e provavelmente continuarão a ter) na preservação da biodiversidade no contexto europeu. De acordo com as alterações climáticas previstas, será desta região que indivíduos adaptados às novas condições climáticas poderão migrar para norte e manter a viabilidade das populações no resto da Europa.”

 

Artigo original: Razgour O, Juste J, Ibáñez C, Kiefer A, Rebelo H, Puechmaille S, Arlettaz R, Burke T, Dawson DA, Beaumont M Jones (2013). The shaping of genetic variation in edge-of-range populations under past and future climate change. Ecology Letters, 16: 1258–1266.

 

Figura: Plecotus austriacus. Copyright Antton Alberdi

Posted in 2013-10-21
 
 

Attachments