• Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
 

 

 

 
 
PALESTRA JOÃO TERESO – MUSEU DE LISBOA TEATRO ROMANO
17 de Fevereiro de 2016 | Museu de Lisboa Teatro Romano
2016-02-11
 

No próximo dia 17 de Fevereiro pelas 18h00, João Tereso investigador do grupo ENVARCH, irá proferir a palestra "Palha para os animais: vestígios arqueobotânicos do terramoto de 1755 recuperados no Teatro Romano de Lisboa".


O evento promovido pelo Museu de Lisboa, terá lugar no Museu de Lisboa – Teatro Romano e enquadra-se no âmbito da iniciativa mensal na qual se destaca um tema, a fim de dar a conhecer mais sobre as várias cidades de Lisboa.

 

Resumo da palestra:
No dia 1 de Novembro de 1755 – Dia de Todos os Santos – um grande terramoto, seguido de um tsunami e amplos fogos destruíram grande parte da cidade de Lisboa. Um desses fogos destruiu uma área habitacional junto ao celeiro da Mitra, onde hoje se encontra o Museu do Teatro Romano. Este evento destrutivo foi também responsável pela preservação por carbonização de uma grande quantidade de elementos vegetais.

O conjunto arqueobotânico é composto por fardos de centeio (Secale cereale) com colmo e espigas. A maior parte das espigas não se encontrava amadurecida aquando da sua colheita. Foram encontradas junto de uma manjedoura e de arreios e fivelas metálicas, usadas para prender animais.

Os dados arqueológicos e arqueobotânicos disponíveis demonstram que o piso térreo da habitação escavada foi usado como estábulo e que os animais aí mantidos eram alimentados com centeio. Os cereais eram colhidos propositadamente para serem usados como forragem, pelo que as espigas e grãos não se desenvolviam completamente antes da colheita. Eram atados em fardos que eram transportados para Lisboa e armazenados junto dos animais e da manjedoura. Aí se encontravam na manhã de 1 de Novembro de 1755 e aí ficaram 250 anos à espera de se eternizarem, tornando-se num contexto único na Arqueologia portuguesa.

 

Para saber mais sobre o evento, consulte o Facebook do Museu de Lisboa.