• Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
 

 

 

 
 
HÁ VIDA NO PARQUE - FLORA VASCULAR
16 de Junho de 2019 | Fundação de Serralves
2019-06-16
 

No Domingo, dia 16 de Junho, Há Vida no Parque! em Serralves, dedicado às Plantas Vasculares. Uma atividade no âmbito da parceria entre a Fundação de Serralves e o CIBIO-InBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos.

 

OFICINA

10H00-11H30

 

Sinopse da actividade

A Árvore dos Anéis

No Parque de Serralves podemos encontrar muitas árvores, umas ainda jovens, cheias de energia e com vontade de crescer, outras com muitos anos, com muitos segredos e histórias para contar. Mas afinal, como se conhece a idade de uma árvore? Que idade tem a árvore mais antiga de Serralves? E há quantos anos nasceu a árvore mais antiga de Portugal? E do mundo? Nesta oficina iremos descobrir os segredos guardados nos troncos das árvores, e perceber que cada árvore tem uma história diferente para contar. 

 

Conceção e Dinamização: Carlota Carqueja

 

PERCURSO

11H30-12h30

 

Com Iúri Frias (Museu da História Natural e da Ciência da Universidade do Porto)
Desde a última glaciação verificaram-se alterações muito significativas na paisagem de Portugal. Estas alterações relacionaram-se, numa primeira fase, com as grandes mudanças climáticas decorrentes do final da Idade do Gelo, que conduziram a um período de auge das florestas de carvalhos. No entanto, o advento da agricultura em meados do Holocénico deu início a uma fase, na qual ainda vivemos hoje, em que as comunidades humanas determinam a evolução da paisagem, em função das suas próprias dinâmicas sociais e políticas. Neste percurso pelo Parque de Serralves, vamos debruçar-nos sobre espécies autóctones e exóticas que tiveram um papel ecológico ou económico importante nestas dinâmicas.

 

Ponto de encontro: Quinta de Serralves
Lotação: 25 participantes
Público-alvo: famílias e público em geral
Acesso: custo por adulto 5€; entrada gratuita para crianças até aos 12 anos; desconto de 50% para jovens entre os 13 e os 18 anos.

 

 

Mais informação sobre esta e outras actividades no website da Fundação de Serralves.

 

[Créditos de imagem: Francisco Eduardo]