• Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
  • Research Center in Biodiversity and Genetic Resources

    InBIO Associate Laboratory

    Research Center in  Biodiversity and Genetic Resources
 

 

 

 
 
Café com Ciência com Martim Melo
28 de Fevereiro de 2016 | Fundação de Serralves
2016-02-20
 

Domingo, dia 28 de Fevereiro, é dia de Café com Ciência em Serralves!

 

Martim Melo
De pássaros e ilhas, de bicos e sementes: como se forma uma espécie?


Martim Melo é o convidado de mais um Café com Ciência
Licenciou-se em biologia na Universidade de Lisboa, obteve um mestrado em biologia da conservação na Universidade do Cabo (África do Sul) e o doutoramento, sobre processos de formação de espécies em aves, na Universidade de Edimburgo (Escócia). É actualmente investigador de pós-doutoramento no CIBIO-InBIO, investigador associado do Percy FitzPatrick Institute of African Ornithology da Universidade do Cabo, e coordenador do programa de ornitologia do twin-lab entre o CIBIO-ISCED sedeado no Lubango (Angola).
Interessa-se pelo estudo dos processos responsáveis pela origem da biodiversidade – desde os factores que levam à diferenciação de populações até à formação de novas espécies.
A sua investigação concentra-se no estudo da diversificação da avifauna da África sub-saariana e em particular das suas ilhas (oceânicas e ecológicas): centros de especiação cuja simplicidade as torna particularmente adequadas para o estudo de um processo complexo. Muito do seu trabalho é desenvolvido nas ilhas do Golfo da Guiné, mas também em Cabo Verde, na apelativamente denominada Ilha Inacessível do arquipélago de Tristão da Cunha e ainda no ‘arquipélago’ de florestas de altitude do continente africano.
O seu trabalho utiliza uma combinação de dados ecológicos, morfológicos, comportamentais e genéticos, juntamente com experiências no terreno.Este trabalho tem implicações directas para a conservação, uma componente importante da sua actividade, não só pela informação detalhada que oferece sobre centros de biodiversidade únicos mas também por contribuir para a compreensão da capacidade dos organismos em adaptarem-se aos impactos humanos nos seus habitats.
Tem um gosto especial em partir para sítios remotos com o objectivo de descrever/descobrir a biodiversidade que aí se encontra.

 

Uma manhã de Ciência, sempre acompanhada de bolinhos e café!

 

O evento decorre às 11h00 na Biblioteca da Fundação de Serralves. Acesso: 1€.

 

Mais informações no website da Fundação de Serralves.